Em Busca da Fé

Fé no combate à Depressão

féÉ natural do ser humano adquirir algum tipo de , mesmo que essa seja entendida como controversa. Mas eu particularmente sou mais exigente quanto ao significado desta palavra que muitos usam, no meu ponto de vista, de forma errada. Digo isso porque eu mesmo não possuo a tão desejada fé que idealizo.

O que muitos creem ser uma , na verdade não passa de mera crença em algo. A é muito mais do que apenas crer e também não tem nada a ver com o fanatismo, que é justamente o contrário daquilo que a verdadeira fé significa. Enquanto a fé é fruto bom e maduro da crença sensata, o fanatismo tem como raiz a insensatez, pela qual muitos deixam de crer em Deus. Antes de falar sobre a importância da na vida de alguém que sofre com a depressão, gostaria de abordar um pouco sobre o ateísmo.

 Um ponto de vista sobre o Ateísmo

O ateísmo não pode ser considerado uma fé, como apregoam alguns religiosos opositores desta crença. Sim, o ateísmo é uma crença, nascida, principalmente, da descrença proveniente das ações absurdas e injustas do fanatismo religioso. Em suma, é a crença de que o Deus dos fanáticos hipócritas não existe. Pra piorar, vivemos num mundo de injustiças e violência e não é fácil pra ninguém entender por que Deus permitiria tal coisa.

Não vamos aqui generalizar, mas a rebeldia é nítida nos argumentos de muitos ateus opositores às religiões. Quando, um ateu não se torna um fanático pregador do ódio ao Deus bíblico, ele tem apenas um ponto de vista científico que não aceita de forma alguma os relatos contidos na Bíblia ou qualquer outro livro considerado sagrado.

Portanto, não significa que todos os ateus só não acreditam em Deus apenas por causa do mau exemplo dado por fanáticos religiosos que se dizem cristãos, mas certamente isso é um agravante importante e gerador da desesperança nas pessoas que acabam se tornando ateias.

Mas existem aqueles que são agnósticos e não sabem disso. Embora rejeitem categoricamente as religiões e seus deuses, a complexidade envolvida no universo e que faz tanta gente refletir sobre a existência, também faz com que admitam uma força superior, mesmo que inanimada, tendo dado início a tudo isso.

Muitos, para não serem confundidos com os criacionistas ou religiosos, não querem admitir a crença num Deus, mas até mesmo cientistas renomados, de alguma forma, admitem a existência de uma força inteligente que teria projetado todo este universo de leis físicas e químicas. Se é absurdo crer nesta força criativa, quão absurdo então é entender que tudo o que está aí surgiu do nada e se desenvolveu de forma aleatória!?! Até mesmo Darwin, o pai do evolucionismo era agnóstico e não ateu.

Uma das coisas que mais se questiona na vida é o sentido da existência humana na terra. Se debate acerca disso, criam-se grupos organizados sejam de crentes ou descrentes. Cientistas tentam explicar a origem de tudo através de “ferramentas” que foram criadas ou sempre existiram, a saber, os elementos físicos e químicos presentes no universo. O homem tem limites em seu poder de criação, e um destes limites é não se aperceber que, ele mesmo é, nada mais, nada menos do que um mero criador tentando provar que não existe o seu criador, mas que tudo veio do acaso, inclusive suas reflexões e indagações sobre sua existência. Irônico e óbvio! Pode o invento questionar o inventor? Pode a criação tentar explicar aquele que a criou, mesmo que este “criador” tenha sido o acaso? Teorias e mais teorias que não nos levam a lugar algum, apenas isso.

 O nosso sistema de trocas

Quando tento imaginar a mente de um ateu, procuro saber aonde está a vantagem de não se crer num Deus que poderia nos dar um sentido na vida e a esperança de eternidade, visto que ninguém em sã consciência quer morrer, nem mesmo quando não se crê em Deus. Talvez sejam pessoas que não queiram nada em troca, vantagem alguma,  mas é complicado entender isso quando sabemos que embora não almejem supostamente nada em sentido espiritual, vivem segundo o materialismo, visando alguma prosperidade, como qualquer ser humano. E se buscam vantagens em sentido material no decorrer de suas vidas, claro que gostariam que este processo durasse para sempre. Ou não? Não estou falando aqui de ganância, mas de algo absolutamente normal dentro do sistema em que vivemos. Todos esperamos vantagens, lucro ou ao menos reconhecimento, honestamente falando. É um dos combustíveis da vida.

Esperar uma recompensa espiritual da parte de Deus, por se ter sido fiel acerca de seus ensinamentos é o que faz todo religioso sensato, que não visa apenas retorno para a sua vida material (curas, dinheiro, bens, etc). Mas dar e receber é uma regra universal, inerente no homem e em todas as coisas vivas. Até mesmo quando pensamos que podemos fazer algo bom ao próximo sem esperar nada de volta, temos uma satisfação pessoal e esta satisfação é o que recebemos em troca pelo bem que se praticou.

E, sim, é muito provável que um ateu resolva pedir ajuda a Deus em troca de cura ou salvação espiritual em seu leito de morte ou numa situação onde sua vida esteja em grande risco. Muitas vezes só ficamos cientes do desespero da morte quando ela bate às nossas portas e passamos a dar bem mais valor à vida nesses momentos. Natural até mesmo para muitos que se dizem religiosos temerem por não terem fé suficiente diante da eternidade iminente de existência ou inexistência.

Continuar existindo ou deixar de existir?

O que faz com que muita gente se torne céptica às crenças num Deus de sentimentos, leis, milagres, vida eterna, etc é o fato de que tais coisas se tornam, a princípio, fictícias em nossos pensamentos. São coisas que parecem contos de fadas e das quais não podem ser provadas cientificamente, muitos certamente irão dizer. O que ninguém para pra analisar é o fato de que a nossa própria existência, já é, em si, o maior de todos os absurdos. Viver pra sempre é absurdo? e por que morrer pra sempre também não é?

Viver pra sempre não faz sentido, muitos dizem, mas lutar pela vida, mesmo estando com 100 anos de idade, faz sentido? Só haveria, num mundo tão ilimitado, a alternativa de vivermos por tempo determinado? Não adoecer nem envelhecer e viver para sempre, no momento não é o que acontece, mas significa isso que seria a única alternativa de vida na terra termos vida limitada em tempo? Cientista algum consegue explicar porque as células morrem, sendo que o normal seria o processo de renovação celular não terminar nunca.

E que sentido faz os seres vivos se multiplicarem e se renovarem, sendo substituídos continuamente? Que sentido faz eu ter que perpetuar a espécie através da procriação, sendo que o meu eu, a minha vontade particular de continuar vivendo tem de ser podada um dia? E as coisas que realizei, os sonhos que sonhei, toda a saudade e o amor que cultivei, gravados na memória, simplesmente serão apagados para sempre? Se retornarei ao estado inativo que tinha antes de nascer, então a vida deixa de ter qualquer tipo de sentido. É como se não estivéssemos existindo, se é que o leitor(a) consegue captar esse raciocínio. Dá na mesma existir ou não, pois não haverá recordação de nada e a inexistência é o que realmente impera, numa vida de ilusão e mais nada.

Deve ser muito conflitante alguém não conseguir obter fé e esperança de que possa existir uma eternidade, sendo que, ao mesmo tempo, se depara com tais questões existenciais tão intrigantes.

O ponto chave de tudo isso, para quem gostaria muito de poder acreditar em alguma coisa, num Deus justo e que se importa com a humanidade apesar de tanto sofrimento e injustiças sociais, seria não se deixar levar pelos absurdos apregoados por determinadas religiões e atitudes de quem as pratica. Mas até mesmo isso foi previsto na Bíblia. Por causa das ações destes, o Reino dos céus se tornaria impossível para muitas pessoas. Mas por que a Bíblia? por que não podemos crer num Deus que não seja o deste livro tão polêmico e com histórias tão absurdamente contraditórias? Mas será que são de fato contraditórias e alegóricas? Infelizmente, os ensinamentos de muitas religiões e as consequências de tais doutrinas, distorceram muitas verdades da Bíblia e a difamaram perante a maioria dos homens.

 Mas por que o Deus da Bíblia?